menu

Topo
Blog do Dr. Cristiano Nabuco

Blog do Dr. Cristiano Nabuco

Categorias

Histórico

Estresse no Natal: como manejar essa data delicada

Dr. Cristiano Nabuco

2018-12-20T18:04:00

18/12/2018 04h00

Crédito: iStock

Sim, talvez o Natal seja, claramente, um dos mais importantes dias do ano para celebrarmos os momentos em família. Entretanto, a tensão que envolve esse período comemorativo está longe de ser manejada facilmente por nós. Veja a seguir quais elementos aumentam o estresse nesse período e como ele controlá-lo:

Os presentes

De acordo com a American Psychological Association, a compra dos presentes pode ser considerado um dos maiores estressores da celebração. Isso pode se tornar ainda pior quando os filhos esperam ganhar certas coisas e os pais se sentem obrigados, por assim dizer, a cumprir as expectativas das crianças, o que, muitas vezes, é dificultado pelas limitações financeiras. (1)

Por exemplo, uma pesquisa conduzida recentemente nos EUA, junto a pais que tinham filhos com idade entre 8 e 14 anos, mostrou que aqueles que tentaram presentear os filhos buscando satisfazê-los ao máximo foram mais propensos a se endividarem nos meses subsequentes, criando, evidentemente, uma outra fonte de estresse adicional, agora do ponto de vista econômico.

Além disso, há um outro fator que também conta bastante. Em nossa memória, sempre carregamos lembranças de pessoas que relatam ter esperado muito por "presentes perfeitos" que, em decorrência de vários fatores, nunca chegaram, gerando uma enorme frustração infantil. Não é muito difícil que nós mesmos não tenhamos, em algum momento de nosso passado, criado algum tipo de expectativa natalina que acabou sendo totalmente frustrada.

Dessa forma, essas mensagens de desapontamento que recebemos de várias fontes nessas datas se tornam ainda mais intensas, contribuindo de maneira impiedosa para que tenhamos a responsabilidade de que a história não se repita.

Portanto, nosso imaginário natalino é preenchido por recordações nem sempre positivas e expectativas futuras, o que cria contornos psicológicos bastante delicados de articulação e manejo por nós.

A culpa

Um outro elemento importante que faz girar as engrenagens do estresse psicológico é o fato de que os pais podem tentar compensar os remorsos acumulados ao longo do ano junto à família e aos filhos justamente no Natal, criando uma espécie de janela de oportunidade para oferecermos algum "mimo" que sirva de compensação emocional. (2-3-4)

Eu explico.

Quem nunca cometeu, enquanto membro de uma família, deslizes ou imprudências que, nessas reuniões comemorativas, são vistas como uma ocasião de ressarcimento afetivo?

Assim sendo, a oferta da lembrança é tida como uma possibilidade mágica de reparação, isto é, um tipo fantasioso de ação que coloca no presente oferecido a possibilidade de recuperar a felicidade e o encantamento desperdiçado, mas que raramente funcionam.

Enfim, certo ou errado, procuramos, nestas ocasiões, fazer as pazes com a nossa consciência.

Para se pensar

Entenda assim que, mais importante do que os presentes que serão oferecidos como tentativas de reparação dos elos familiares danificados, a reunião em família deve ser considerada, antes de mais nada, como uma possibilidade de recobrarmos, ainda que brevemente, a nossa consciência de que sempre estamos tentando fazer o melhor.

Não use desse momento como uma tentativa silenciosa de pedir desculpas, mas de reconhecer que, mais importante do que seu gesto que virá embalado em papel de presente, será a sua atitude clara, legítima e honesta de poder falar a respeito das dificuldades e de suas emoções sentidas, mas, muitas vezes, reprimidas.

Mostrar aos demais que lutamos e que muitas vezes falhamos, faz os outros recobrarem a consciência da dificuldade que a vida cotidiana nos confere, abrindo então a real possibilidade de criar a empatia e, dessa forma, colar as fraturas que tanto nos constrangem.

O maior presente a ser compartilhado nesse dia é sua intimidade emocional, pois esse "presente" seguramente é um dos maiores soldadores das rupturas emocionais.

Pense nisso.

 

Referências

  1. https://www.apa.org/news/apa/2018/gift-giving.aspx
  2. http://moneyconfidentkids.com/content/money-confident-kids/en/us/media/research/2018-parents-kids-money-survey-results-holiday-saving-and-spending-findings.html
  3. https://aandbcounseling.com/guilt-attack-during-the-christmas-season/
  4. https://www.healyourlife.com/how-to-avoid-guilt-and-obligation-during-the-holidays

 

Sobre o autor

Cristiano Nabuco é psicólogo e atua em consultório particular há 32 anos. Tem Pós-Doutorado pelo Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Atualmente trabalha junto ao PRO-AMITI do Instituto de Psiquiatria do HC/FMUSP; Coordena o Núcleo de Terapias Virtuais (SP) e o Núcleo de Psicoterapia Cognitiva de São Paulo. Foi Presidente da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC). Publicou 13 livros sobre Psicologia, Psiquiatria e Saúde Mental.

Sobre o blog

Neste espaço, são discutidas ideias e pesquisas sobre comportamento humano, psicologia e, principalmente, temas que se relacionam ao cotidiano das pessoas. Assuntos centrais na construção de nossa autoestima, felicidade e vida. Seja bem-vindo(a)!