Blog do Dr. Cristiano Nabuco

Categorias

Histórico

Videogames podem ser bons ao cérebro das crianças

Dr. Cristiano Nabuco

30/08/2016 07h00

contrastwerkstatt - fotolia

contrastwerkstatt – fotolia

Como você já deve ter percebido, a tecnologia invadiu, de maneira quase irreversível, vários aspectos de nossa vida. E, no que diz respeito à recreação dos pequenos, as coisas não poderiam ter sido muito diferentes.

Ainda que eu mesmo, várias vezes, tenha denunciado os efeitos negativos sobre o comportamento humano, um novo estudo procurou debruçar-se sobre a eventual relação entre a quantidade de tempo gasto nos games e as possíveis consequências sobre as habilidades cognitivas e sociais das crianças.

A investigação foi feita em cinco diferentes países da Europa e contou com uma amostra de mais de três mil crianças, ou seja, um número bem expressivo.

O resultado: jogar videogame pode, sim, criar possibilidades positivas.

Pesquisadores descobriram que o uso desses jogos propiciou um aumento das possibilidades (1,75 vezes) de desenvolvimento de um melhor funcionamento intelectual e um aumento (1,88 vezes) nas chances de se expandir a competência global na escola. (1)

Outro achado: descobriu-se que mais tempo gasto nos videogames foi associado a menos problemas de relacionamento com seus pares.

Importante destacar, entretanto, que apenas 20% da amostra jogava mais do que 5 horas por semana, ou seja, ao contrário do que vemos acontecer em muitas casas, onde há uma imensa dificuldade de se dar limites às crianças e aos adolescentes (que chegam a ficar “horas por dia”), uma exposição adequada pode promover o desenvolvimento de lazer colaborativo entre os filhos, afirmam os pesquisadores.

Portanto, os resultados devem sim ser comemorados, todavia, fique sempre de olho para o “quanto” desse uso deva ser permitido e, mais que isso, “sob quais condições” ele deverá ocorrer, pois essa é a linha divisória entre o benefício e o prejuízo (leia-se: para que não vire um problema).

Infelizmente, a “definição dos limites” de quando esse uso se torna prejudicial ainda é um problema entre os pais e educadores.

Como diz um velho ditado, a diferença entre o remédio e o veneno é a dose. Portanto, fiquem atentos.

© michaeljung - Fotolia.com

© michaeljung – Fotolia.com

Recomendações

a) Antes do acesso, procure verificar se o jogo é adequado à faixa etária de seus filhos;

b) Estabeleça um horário e um tempo de uso. Evite deixar o videogame com um acesso livre às crianças. Por exemplo, de 45 minutos a uma hora pode ser uma opção, dependendo da idade.

c) Preferencialmente, cuide para que a utilização ocorra antes do jantar e jamais antes de a criança ou o adolescente se deitarem. Além do sono ser prejudicado pela ansiedade gerada pelo jogo, a consolidação da memória do que foi aprendido na escola pode ficar seriamente comprometida; (2)

d) Acompanhe vez ou outra a experiência de seu filho durante o jogar, sentando, por exemplo, ao lado dele. Isso lhe permitirá, enquanto cuidador, “sentir” qual a mensagem que está sendo passada à criança e, além disso, ao conversar com ela a respeito (em vez de proibir), essa atitude colabora com a criação de uma consciência mais crítica na criança ou no adolescente;

e) Proponha atividades ao ar livre, onde os pais possam ativamente estar presentes. De nada adianta restringir o uso, se a criança ou o adolescente não vislumbra alguma alternativa de entretenimento e, finalmente;

f) Lembre-se que o exemplo que parte do comportamento dos pais é, de longe, um dos mais poderosos meios de modelar e influenciar o comportamento dos pequenos.

 

Referências

(1) http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00127-016-1179-6

(2) http://cristianonabuco.blogosfera.uol.com.br/2016/04/11/efeitos-do-uso-excessivo-da-internet-e-dos-videogames-sobre-a-memoria/

Sobre o autor

Cristiano Nabuco é psicólogo e atua em consultório particular há 32 anos. Tem Pós-Doutorado pelo Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Atualmente trabalha junto ao PRO-AMITI do Instituto de Psiquiatria do HC/FMUSP; Coordena o Núcleo de Terapias Virtuais (SP) e o Núcleo de Psicoterapia Cognitiva de São Paulo. Foi Presidente da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC). Publicou 13 livros sobre Psicologia, Psiquiatria e Saúde Mental.

Sobre o blog

Neste espaço, são discutidas ideias e pesquisas sobre comportamento humano, psicologia e, principalmente, temas que se relacionam ao cotidiano das pessoas. Assuntos centrais na construção de nossa autoestima, felicidade e vida. Seja bem-vindo(a)!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
UOL Notícias - Saúde
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
UOL Notícias - Saúde
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
Topo