Blog do Dr. Cristiano Nabuco

Categorias

Histórico

Celulares, filhos e sua saúde: o que você deveria saber, mas desconhece

Dr. Cristiano Nabuco

14/01/2015 08h30

Google imagens

Google imagens

Desnecessário dizer o quanto a tecnologia mudou nossa vida de maneira drástica na última década, decorrente do barateamento e popularização dos computadores e, principalmente, dos telefones celulares.

Para você ter uma ideia, a população mundial hoje é estimada em sete bilhões de pessoas, sendo que 6,9 bilhões são proprietários de uma “linha móvel”. Nesse sentido, os celulares estão presentes em locais do planeta onde, muitas vezes, nem a água potável ou o saneamento básico ainda estão. (1)

No Brasil, por exemplo, são registrados 276 milhões de linhas de celulares (ANATEL) para uma população de 201 milhões de habitantes (IBGE).

Obviamente que esse convívio estreito com a tecnologia móvel criou uma série de efeitos no cotidiano das pessoas. Os positivos, já conhecemos muito bem, mas os negativos são ainda muito pouco revelados. (2)

Alguns pesquisadores dizem (mas, na verdade, nem precisaria) que o celular atual se tornou um verdadeiro portal pessoal que oferece praticamente tudo que necessitamos (música, fotografia, mensagens, redes sociais etc.), absorvendo parte importante de nosso interesse e atenção. Tanto é verdade que basta uma rápida olhada para ver o que ocorre em parte expressiva das pessoas que transitam nos metrôs, shoppings, cinemas, restaurantes, teatros, praias ou aeroportos. Tais ambientes são ideais para que se possa observar a relação estreita ou, se você preferir, de descontrole ou  excesso que foi criado com a tecnologia da comunicação.

Muito tenho lido a respeito dessas consequências e gostaria aqui de dividi-las com você, pois algumas são efetivamente polêmicas.

Quer saber?…

Vamos lá: Embora ainda sem uma classificação oficial da medicina, a “nomofobia” (medo de ficar sem o celular) é uma das denominações mais frequentes apontadas pela literatura ao descrever episódios de ansiedade e desequilíbrio emocional das pessoas ao serem separadas de seu telefone móvel. Alguns dos sintomas incluem: (a) uma incapacidade de desligar o telefone, (b) verificar de maneira obsessiva chamadas não atendidas, e-mails e mensagens de aplicativos (como whatsApp, Instagram, por exemplo), (c) ficar continuadamente preocupado com a duração da bateria, (d) mostrar-se incomodado de ir a lugares onde o telefone celular não funciona corretamente ou sentir-se mal quando o telefone estiver sem sinal. (2)

Andy Kemshall, cofundador da SecurEnvoy, disse, a respeito dessa classificação, que: “O primeiro estudo em ‘nomophobia’, realizado há quatro anos, revelou que 53 por cento das pessoas sofriam com a condição e, agora, o estudo revela que apenas no Reino Unido, essa marca subiu para 66 por cento e não mostrando sinais de diminuição”.

Caso você ainda não saiba, em uma semana normal, uma pesquisa descobriu que o usuário médio verifica seu telefone aproximadamente 1.500 vezes por semana, ou seja, usa seu gadget durante 3 horas e 16 minutos por dia – ou o equivalente a quase um dia inteiro por semana. Quase 4 em cada 10 usuários admitiu sentir-se perdido sem seu celular. Muitos também confessaram usar seu telefone sem perceber que estão fazendo e, dois terços disseram entrar e navegar no Facebook sem pensar. (3)

Portanto, do ponto de vista da saúde mental, sabemos hoje que muitos dos efeitos observados são semelhantes aos vícios de álcool, drogas e ao jogo patológico. (4)

Uma questão, entretanto, que vem ocupando um espaço importante nas publicações internacionais, diz respeito ao seguinte questionamento: as radiações dos celulares fariam mal à saúde?… (5)

Um estudo divulgado em 2011 pelo Journal of the American Medical Association (JAMA) estimulou o debate ainda mais quando se investigou o papel que os telefones celulares oferecem na atividade cerebral. Embora o relatório não tenha sido conclusivo a respeito dos possíveis efeitos, especula-se que exista alguma consequência negativa sim para a saúde. (6)

Embora essa questão permaneça ainda sob investigação, o periódico Journal of the American Academy of Pediatrics já havia confirmado que as crianças são especialmente sensíveis a todos os campos electromagnéticos, uma vez que o sistema nervoso dos pequenos são ainda muito frágeis, além do fato de que seus ossos e crânio são mais facilmente penetráveis pelas ondas. (7)

A esse respeito, o oncologista sueco Lennart Hardel afirma que crianças e adolescentes são cinco vezes mais propensos a ter um tipo particular de câncer no cérebro em função da radiação emitida por celulares. Conhecido como glioma – um tumor cerebral que, embora os fatores de risco para o desenvolvimento ainda não sejam bem conhecidos -, o único fator de risco ambiental claro é a exposição à radiação. Dessa forma, o oncologista sugere que os telefones celulares não deveriam ser usados de maneira excessiva antes dos 20 anos de idade. (8)

E não é apenas o oncologista que afirma isso, mas recomendações aos pais a respeito dos campos magnéticos aparecem em países como França, Rússia, Bélgica, Austrália, Índia, Canadá, dentre outros. Na Inglaterra, por exemplo, um relatório divulgado pelo Comitê do Instituto Nacional de Proteção Radiológica do Reino Unido (NRPB), um órgão consultivo do governo, exigiu a adoção de uma “abordagem preventiva” para o uso de celulares por crianças. O material reconhece que não há nenhuma evidência de que a radiação de celular seja prejudicial, mas adverte que a possibilidade também não pode ser descartada. (9)

Na França, a proibição fez parte de um pacote legislativo chamado Compromisso Nacional para o Meio Ambiente, aprovado pelo parlamento francês em julho 2010 e exige que todos os celulares sejam vendidos com um fone de ouvido (para evitar o contato direto com a radiação), bem como proíbe anúncios de celulares que sejam destinadas a crianças e adolescentes menores de 14 anos. Além disso, proíbe o marketing e a venda de telefones feitos especificamente para as crianças com idade inferior a 6 anos. (10)

Pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde (EUA) descobriram que menos de uma hora de uso do celular pode acelerar a atividade cerebral na área mais próxima à antena do telefone. E, concluem: “O estudo é importante porque documenta que o cérebro humano é sensível à radiação eletromagnética que é emitida por telefones celulares,” disse o Dr. Volkow, pesquisador. (11)

Sabe-se que os celulares funcionam no espectro eletromagnético que emitem radiação de micro-ondas a partir de suas antenas, a maioria das quais estão agora incorporadas aos seus telefones. Embora em menor intensidade que as radiações emitidas por um forno, afirma-se que a preocupação não seja a da intensidade da energia, mas o sinal pulsante que impactaria o organismo humano.

Na investigação publicada no periódico Environmental Health Perspectives, foi analisado o efeito das ondas eletromagnéticas emitidas por celulares em ratos de laboratório. Quer saber a respeito da conclusão? “Altamente significativa” para a lesão neuronal no córtex, hipocampo, e gânglios basais nos cérebros de ratos expostos. (12)

Dicas de utilização (2, 13, 14)

  1. Evite contato direto do seu corpo com o telefone celular, computador e outros eletrônicos (a maioria dos fabricantes, inclusive, sugere manter sempre alguns centímetros entre você e seu aparelho). Procure carregar seus equipamentos em sua mala, bolsa ou qualquer outro lugar que mantenha uma distância mínima de você.
  2. Prefira sempre usar fones de ouvido ou modalidade viva-voz (mas não se esqueça de manter o telefone longe de sua barriga, caso seja mulher e esteja grávida).
  3. Se puder, prefira enviar mensagens de texto em vez de fazer ligações.
  4. Não durma com seu telefone sob o travesseiro ou perto de você na mesa de cabeceira.
  5. Se o seu filho for usar um telefone celular ou tablet, mude para o modo avião, pois é mais seguro.
  6. Quando possível, limite o tempo de uso de seu telefone celular (2 minutos no máximo). Prefira o telefone fixo para chamadas de longa duração.
  7. Se você não pode usar a função viva-voz, considere usar um fone de ouvido.
  8. Evite fazer chamadas em carros, elevadores, metros e ônibus. Qualquer material que contenha metal a sua volta como o carro ou elevador, por exemplo, fará com que as ondas aumentem a intensidade.
  9. Não use seu telefone celular quando o sinal for fraco ou quando você estiver viajando a velocidades mais altas em um carro ou trem. Isso automaticamente aumenta o poder máximo como tentativas automáticas do telefone celular para se conectar a uma nova antena de retransmissão.

 

Conclusão

Enfim, ainda que muitas pesquisas estejam em andamento e o debate ainda seja inconclusivo, penso ser importante, dentro do possível, diminuir sua exposição e de seus filhos à radiação. (13,14)

Vamos nos recordar que a indústria do tabaco levou nada menos do que 150 anos para ter estampado em seus maços os avisos dos riscos do consumo, portanto, vamos ficar atentos.

Nossa saúde e a de nossos filhos agradecerão.

 

Referências

1. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs193/en/

2. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232014000300991&script=sci_arttext

3. http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2783677/How-YOU-look-phone-The-average-user-picks-device-1-500-times-day.html

4. http://www.grupoa.com.br/livros/psiquiatria/manual-clinico-dos-transtornos-do-controle-dos-impulsos/9788536310893

5. http://www.iarc.fr/en/media-centre/pr/2010/pdfs/pr200_E.pdf

6. http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=645813)

7. http://pediatrics.aappublications.org/content/116/2/e303.full

8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2092574/

9. http://www.newscientist.com/article/dn6872-cellphones-should-not-be-given-to-children.html).

10. http://www.legifrance.gouv.fr/affichTexteArticle.do;jsessionid=1E9805FB777CC9228F41FE523855508D.tpdjo14v_1?idArticle=JORFARTI000022471504&cidTexte=JORFTEXT000022470434&dateTexte=29990101&categorieLien=id

11. http://well.blogs.nytimes.com/2011/02/22/cellphone-use-tied-to-changes-in-brain-activity/?_r=0

12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12782486

13. http://www.cancer.gov/cancertopics/factsheet/Risk/cellphones

14. http://ehtrust.org/q-a-cell-phones-and-wireless-radiation/

Sobre o autor

Cristiano Nabuco é psicólogo e atua em consultório particular há 32 anos. Tem Pós-Doutorado pelo Departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Atualmente trabalha junto ao PRO-AMITI do Instituto de Psiquiatria do HC/FMUSP; Coordena o Núcleo de Terapias Virtuais (SP) e o Núcleo de Psicoterapia Cognitiva de São Paulo. Foi Presidente da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas (FBTC). Publicou 13 livros sobre Psicologia, Psiquiatria e Saúde Mental.

Sobre o blog

Neste espaço, são discutidas ideias e pesquisas sobre comportamento humano, psicologia e, principalmente, temas que se relacionam ao cotidiano das pessoas. Assuntos centrais na construção de nossa autoestima, felicidade e vida. Seja bem-vindo(a)!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
Blog Cristiano Nabuco
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
UOL Notícias - Saúde
Topo