Dr. Cristiano Nabuco

Arquivo : série de TV

Vício em séries de TV: um novo problema da atualidade?
Comentários Comente

Dr. Cristiano Nabuco

lassedesignen – fotolia

Com um plugin gratuito no navegador, podendo ser acessado por meio de qualquer dispositivo móvel ou não, as séries de TVs por streaming  são atraentes e populares e, não dá – ainda – para chamar de vício a utilização desta ferramenta. Mas, por acaso você já parou para observar o comportamento das pessoas que tanto assistem a estas séries? Não?

E assim caminha a nossa noite

Tudo começa pela escolha do que assistir, o que, cá entre nós, não é das tarefas mais fáceis. O próximo passo é pegar o cobertor e a pipoca ou, caso a noite esteja quente e a fome não tenha batido, pode ser sem nada disso mesmo. Agora basta se instalar no sofá. E, então, o gatilho é disparado. Passam-se horas e horas do final de semana ou deixam-se para trás horas preciosas de sono durante a semana por avançar noite adentro na frente da TV.

Enfim, o que acontece é mais ou menos isso: Senta-se para assistir um programa de 60 minutos, por exemplo, mas acaba-se por gastar muito mais tempo do que o pretendido.

Não tão simples assim

Outra particularidade comportamental que vale citar é o “final” de cada episódio. Isso mereceria, creio eu, um estudo à parte. Explico: Quando o episódio termina, surge uma sensação (quase) incontrolável que impele o indivíduo a dar “só mais uma olhadinha” para ver o que vai acontecer com este ou aquele personagem.

Como ninguém é bobo, são apresentados em números menores no canto superior da tela um relógio que, em ordem decrescente, anuncia o início “automático” do próximo episódio. Quando nos damos conta, já era. Lá se foram outros 20 minutos na frente da televisão. E você pensa: “Ah, já está na metade, então não vou parar agora, vou ver o episódio inteiro”. Aquela uma hora inicial vira duas, três, quatro horas…

Obviamente, estou usando um pouco de humor, mas caso você ainda não saiba, há por detrás disso mecanismos cerebrais importantes sendo acionados que são muito semelhantes àqueles que operam em alguns vícios comprovados.

Exagero? Definitivamente, não.

vectorstory – fotolia

Nosso cérebro tem uma dificuldade muito grande de lidar com operações que são deixadas “inacabadas” e, portanto, interromper a estória contada na série claramente desafia nossos mecanismos biológicos mais básicos, pois nos deixam com uma impressão de que há mais a ser feito, e um efeito de looping aparentemente sem fim é criado, levando-nos a desejar mais e mais.

Todo esse processo faz com que o corpo permaneça alerta (nossa resposta ancestral de luta ou fuga), o que pode facilmente interromper o sono. Então, quando nos deparamos com o final de mais um episódio à uma da manhã, por exemplo, posso lhe assegurar que você não estará mais tão cansado. Você vai estar pronto para seguir adiante, sem se dar conta disso.

Um admirável mundo… novo?

Além disso, embora ainda nenhum estudo tenha se debruçado sobre os mecanismos cerebrais envolvidos nessa questão, é possível especular que há uma intensa liberação de dopamina – aquele neurotransmissor que é liberado nos dando a sensação de recompensa – no momento em que um episódio acaba, nos forçando a assistir “mais horas”.

Como uma pessoa que tem compulsão por chocolates, por exemplo, para quem é impensável comer um só, já atendi pessoas com relatos importantes de “compulsões” de programação (o que em inglês já se denominou “binge watching TV”).

Essas pessoas me contaram, muito animadamente, que chegaram a passar, facilmente, mais de 10 horas em um único dia na frente da TV apenas assistindo as séries de maneira copiosa e deixando por fazer as coisas verdadeiramente importantes, criando um verdadeiro rastro de procrastinação na vida pessoal e profissional.

Bem, caso você, leitor(a) tenha sentido alguma familiaridade, saiba que coloquei no texto acima (de maneira disfarçada, claro) vários dos critérios que definem as dependências tecnológicas e, portanto, quero apenas deixar registrado, é exatamente assim que os vícios começam na vida de muitas pessoas. Ou seja, mesmo aquilo que parece ser, à primeira vista, “divertido” e inofensivo, se mal manejado por nós, torna-se uma poderosa armadilha para nosso bem-estar e nossa saúde mental.

Em tempos de tecnologia praticamente onipresente em nossas vidas, é sempre bom ficar de olho aberto, não acha? Seria, portanto, os vícios de séries de TV a ponta de algum iceberg?

Para se pensar.

 

 

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>